quarta-feira, 11 de junho de 2008

"The Shipping News" - Satisfeito ou não muito!



Adiei a leitura deste livro uns quantos meses... Não que não pudesse tê-lo lido logo quando me foi oferecido. Nada disso. Até porque li outro antes deste que me transportou ao reinado de Cleópatra, através das suas memórias escritas pela mão de Margaret George.
Mas este "The Shipping News" não me cativou de início. Não sei explicar mas... aconteceu. Um dia decidi que tinha que lhe dar uma oportunidade de me fazer devorá-lo ou abandoná-lo no mesmo canto onde repousam "A Praia Roubada", da Joanne Harris, ou "Os Maias", no nosso Eça.
Atrevi-me a ler as primeiras linhas e... prendeu-me! Todos os dias devorei umas quantas páginas, sempre ávido de alcançar o desfecho no final. Nós de marinheiro, vidas intrincadas e entrelaçadas, mudanças de terra e de hábitos... Este livro tem de tudo.
Ou seja, se me cativou, não posso dizer mal. Afinal de contas, até gostei do livro. Mas (há sempre um "mas"...) o final foi surpreendente.
Decerto já todos viram aqueles filmes de ficção científica em que uma nave percorre um corredor de lançamento (será que este é o nome correcto? Sei lá...) dentro da nave-mãe a alta velocidade... Uma velocidade louca para no fim parecer ficar a pairar no vazio...
Com os parágrafos finais deste livro a sensação é a mesma. Parecia que eu próprio estava aos comandos da nave, ficando, subitamente, a pairar no vazio, imóvel, à espera que algo acontecesse...
Apesar de ter percebido o fim e a moral do livro (já me aconteceu, n se espantem...), soube-me a pouco... Queria mais...
O próximo objectivo é ver o filme. Dizem-me que está muito bom, pode ser que dê para concluir qualquer coisa mais a respeito da obra.
Para já, e durante alguns tempos (sim, eu levo muito tempo a ler um livro... mas depois também é raro lê-lo segunda vez!!), fico-me pelos trinta e cinco anos de convívio de Maria da Conceição Rita com António de Oliveira Salazar. A ver vamos se mudo esta ideia que tenho do "Senhor Doutor".
Beijos e abraços.

2 comentários:

Patrícia disse...

Bom, se gostaste assim tanto, eu tb vou ter que o ler. Não sei quando, que tempo é coisa que não tenho, mas lá hei-de chegar.
Que tal, depois do livro que actualmente estás a ler, dares uma oportunidade ao Shalimar? olhe que é bem bom.
beijinhos
pat

Cheila C.C.C. disse...

Antes de mais... Até que enfim que escreveste qualquer coisa!!! Qualquer coisa não... Algo muito bem escrito e que a mim cativou por vários motivos.

Ora vejamos:
- Começas por contar como te decidiste a iniciar esta leitura e, o exemplo de que te lembras para explicar o percurso desta tua decisão, é dizer mal de um dos meus livros favoritos: Os Maias!!!
(além de gostares de touradas......)

- Mas de seguida, "redimes-te", e utilizas expressões como "...prendeu-me; ...todos os dias devorei...; ...sempre ávido de alcançar...". Nuno, aqui?! rendi-me ao teu texto.

- Mas o melhor de tudo! Surge quase... quase... na parte final (como sempre, não é?!). E dizes... "Soube-me a pouco... Queria mais..."... Epá... Nuno... E disto, também eu percebo.

Nuno, para ti, 2 palavras:
MUITO BOM!

Beijocas
Ps: Nuninho... à parte das touradas e afins, a beleza da amizade está em respeitar a diferença. Não ligues a 90% do meu comentário, ok? Retém apenas aquelas partes do "Soube-me a pouco..." etc.. :P