segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Ídolos 2009 [ou "A Vitória dos Coitadinhos"]

Acabei de ver a final do "Ídolos", na SIC, e não podia deixar de voltar a escrever depois de ver isto... Pois é, lá ganhou o Filipe Pinto... Que é como quem diz ter ganho a humildade, a timidez, a rigidez de movimentos, enfim, o "coitadinho".
Já nem deveria estranhar esta vitória... O rapaz tem um palminho de cara, uns olhos azuis de fazer inveja a qualquer um (confesso que gosto muito dos meus, castanhos com umas nuances esverdeadas em dias mais soalheiros...), é alto e elegante mas... poupem-me àquela postura de "eu sou tão tímido, estou tão envergonhado"!! As adolescentes renderam-se a estes atributos todos e fartaram-se de gastar o dinheirinho que os paizinhos lhes creditam nos telemóveis e as operadoras de chamadas móveis também agradecem profundamente, com toda a certeza.
Se nos lembrarmos de outros programas, podemos ver que esta vitória do Filipe era totalmente esperada. Vejamos:
- Big Brother 1: O Zé Maria era um "coitadinho" (oprimido pelos colegas, pobrezinho que trabalhava nas obras com o pai, fazia declarações de amor à "Cegonha" que não correspondia, etc). Ganhou e o que é ele hoje?! Nada! Voltou a ser o que era e ainda ficou conhecido pelas mais tristes razões, além de ter derretido tudo o que ganhou no programa.
- Big Brother 2: O Henrique era "ex-seminarista", virgem (nada contra, apenas era uma das características apregoadas para verem como era "bom rapazinho"), era o pacifista da Casa e resistia aos avanços e brincadeiras da Elsa. Ganhou e o que é ele hoje?! Nada! Também voltou à terra dele e é mais um feliz desconhecido.
- Big Brother 3: A Catarina era o exemplo da boa miúda. Adorava as lides domésticas e fazer os outros sentirem-se bem. Resistiu aos avanços mais ou menos românticos do companheiro Tozé, chorou muitas lágrimas e... ganhou! Ganhou e o que é ela hoje?! Nada! Ainda cantou e desfilou mas não se ouve falar dela há anos!
- Big Brother 4: O Nando era também o exemplo do bom rapaz. Trabalhava honestamente na oficina do pai, não causava problemas a ninguém dentro da Casa, enamorou-se da Filipa... e ganhou! Ganhou e o que é ele hoje?! Nada! Casou com a Filipa, continuou a trabalhar na oficina do pai e voltou a ser um ilustre desconhecido.
Se pensarmos nas duas edições anteriores do "Ídolos" também temos dois excelentes exemplos: o Nuno Norte venceu a primeira edição e o Sérgio venceu a segunda. O primeiro anda a cantar e tocar na Rua Augusta, o segundo, se não fosse o La Feria dar-lhe a mão, devia estar de volta à carpintaria de onde veio.
Sinceramente, espero que o Filipe tenha melhor sorte. O que não me parece muito certo... mas é só a minha opinião, claro! Para quem não queria participar no programa e quer mesmo é acabar o curso superior, sempre quero ver como é que ele vai passar seis meses em Londres! LOL
Sim, caso não tenham ainda percebido, eu preferia a Diana!! Versatilidade, garra, sentimento, postura... Esta miúda vai ser mais um "segundo lugar bem sucedido" tal como aconteceu ao João Pedro Pais (alguém tem visto por aí a Inês Santos?! LOL). Deixo-vos com duas das exibições da Diana, caso não tenham podido ver:

video

E Depois do Adeus (int. original: Paulo de Carvalho)

video

Ne Me Quitte Pas (int. original: Jacques Brel)

O futuro dirá quem é o verdadeiro vencedor do "Ídolos 2009". ;-)

B&A

1 comentário:

Vera disse...

Eu ainda tinha a esperança que a Diana ganhasse. Se de facto fosse um vitória justa, tendo em conta o talento e tal como dizes, versatilidade e garra. No entanto, obviamente que as mulheres nunca votam nas mulheres e, se ainda por cima do outro lado está um rapazito de olhos azuis com ar de coitadinho (e de otário, já agora), obviamente que se sabe logo quem terá mais votos. Toda a gente sabe que uma legião adolescentes fanáticas é capaz de gastar a mesada toda em telefonemas....

O Filipe sempre me causou um ódiozinho visceral, precisamente por esse ar de coitadinho, mas, principalmente por, num programa em que tanta gente é rejeitada porque apesar de cantar muito bem só se adequa a um género musical que não o pop, este menino, que acha que é o Eddie Vedder português, acabou por ganhar aquilo com base nos olhinhos e no ar.

Curiosamente, não me lembro de quase nenhum dos vencedores dos concursos que tu referiste. E, tendo em conta que infelizmente o grunge já morreu, sinceramente não vejo futuro nenhum para alguém que SÓ canta bem Pearl Jam e Nirvana (e na minha opinião, nem é nada de especial... pois não desafinar não é sinónimo de grande voz).

De qualquer modo, a Diana não precisa de curso nenhum. Ela já faz carreira se a puserem agora em cima de um palco. Nesse sentido, pode ser que o outro aprenda alguma coisa...

Beijocas