segunda-feira, 13 de fevereiro de 2006

"... Eternamente"


“...Eternamente”

“...E de novo acredito que nada do que é importante se perde verdadeiramente. Apenas nos iludimos, julgando ser donos das coisas, dos instantes e dos outros. Comigo caminham todos os mortos que amei, todos os amigos que se afastaram, todos os dias felizes que se apagaram. Não perdi nada, apenas a ilusão de que tudo podia ser meu para sempre.”
Porque é o meu primeiro "post" de 2006, quero desde já desejar um excelente ano a todos os que tiverem a paciência de ler este meu blogue (sim, em português é assim que se escreve, pelos vistos). FELIZ ANO NOVO, pessoal!
Ora nada melhor do que este excerto de um texto do Miguel de Sousa Tavares para me fazer voltar à escrita neste cantinho dedicado a mim, a vocês e a quem mais fizer o favor de o ler.
De facto, ao ler este pequeno excerto, senti-me impelido a escrever acerca deste tema sempre tão controverso: a eternidade. Nada é eterno... ou se é, apenas o é enquanto dura!! Assim é tudo na vida...
Quando era miúdo, achava que os 20 anos estavam a anos-luz... mas depressa chegaram!! Depois achava que a década dos "20" seria longa, que levaria o seu tempo a atingir a fatídica idade dos "30". Mera e estúpida ilusão!! Levou tanto tempo quanto leva a passar dez anos da existência de cada um de nós... E comecei a ter consciência de que, de facto, nada é eterno! Nem mesmo eu, bolas!!
Tornou-se, então, imperativo estabelecer um novo conceito de eternidade! Para mim, neste momento, chegar aos cem anos lúcido e com a agilidade possível que me permita não ter que usar fraldas ou "babette" será óptimo!
Até lá, acompanhar-me-ão, na minha caminhada para a minha eternidade, "todos os mortos que amei, todos os amigos que se afastaram, todos os dias felizes que se apagaram". Para mim todos eles serão eternos enquanto eu caminhar para a "minha eternidade".
Ficarei satisfeito se aqueles que me sobreviverem disserem, quando pensarem em mim, "era um gajo porreiro, um bom amigo". Então, para esses, serei eterno. :-)
Aqueles que amo, amei e amarei, serão eternos para mim. Sejam eles família, amigos, o que forem...

2 comentários:

Patrícia disse...

Realmente é um texto fantástico... com o qual concordo em absoluto.
Mas falemos de eternidade. o meu conceito de eternidade difere um pouco do teu: eterno será um bom momento que nos faz sorrir de cada vez que nos lembramos dele, será uma conversa que permanece no nosso imaginário.
Qto à vida eterna? Não é um dos meus sonhos, prefiro viver intensamente...
e as amizades serão sempre eternas.
e já agora... Feliz dia de S. Valentim...
mil beijos

Tethis disse...

Ora se cientificamente a eternidade é imensurável, que seja quantificada individualmente, segundo a escala de cada um de nós! Concordo ctg qd dizes q eternas são as gargalhadas dos meus amigos num determinado momento...eu sê-lo? seria presunção a mais... mas o significado do q me é eterno, esse sim... pra mim é eterno! Ñ te esqueças que somos do tamanho do que vemos, neste caso do q vivemos (q me perdoe Fernando Pessoa)e não do tamanho da nossa altura!;-)
Bjs mtos como spr