sábado, 18 de março de 2006

Festival RTP da Canção 2006: a vergonha!!


Eu sei que já passaram uns dias (o Festival ocorreu no passado dia 10), mas, como espectador assíduo deste evento do canal público de televisão, não poderia deixar passar em branco tal acontecimento.

Devo começar por destacar o facto de se ter voltado ao método "antigo" que se traduz no convite a alguns compositores para apresentarem canções a concurso, na escolha de bons intérpretes (alguns nem tanto, é um facto) e no verdadeiro espectáculo de música e coreografias que enchia salas de estar nas casas de cada um, todas as noites do dia 7 de Março de cada ano (dia do aniversário da RTP), com espectadores colados aos écrans como se a Araldite ("a cola que cola cientistas ao tecto") se tivesse aproveitado de um momento de distracção.

Mas a razão principal que me levou a escrever algo acerca do Festival RTP da Canção deste ano foi, sobretudo, a forma pouco digna e pouco simpática como o público presente na sala se manifestou em relação à vitória das Non Stop com a canção "Coisas de Nada" (e não "Vem Dançar" como vinha noticiado no Correio da Manhã do dia 12 de Março). É certo que não foi a totalidade da audiência a manifestar-se, foram tão somente os familiares, amigos e apoiantes da Vânia de Oliveira (sim, a Vânia das Delirium), intérprete da canção que ficou classificada no segundo lugar após o desempate segundo as regras do concurso.

É isto que eu não entendo!! As regras do que quer que seja, quando são impostas, são-no para todo e qualquer participante. As leis do nosso país também o são para todos os cidadãos ou, pelo menos, é essa a função das leis. Ok, a canção da Vânia, "Sei quem sou Portugal", tinha menos palavras na língua inglesa!! Logo seria, supostamente, uma canção "mais portuguesa". E depois?! As canções estavam em pé de igualdade, foram criadas da mesma forma, apresentadas da mesma forma, no mesmo dia, no mesmo certame, votadas pelo mesmo júri na sala e pelo mesmo júri espalhado pelo país que fez o favor de telefonar. Então porque é que não havemos de ser civilizados e aceitar que o resultado da aplicação das regras é soberano?!

Não só faltaram ao respeito às vencedoras como também aos apresentadores de serviço na noite que, excepção se faça ao Jorge Gabriel, foram magníficos, em especial a Helena Ramos e o Eládio Clímaco. Não é admissível um comportamento daquele género, com assobios e apupos entre estridentes gritos de "Vânia... Vânia... Vânia...", de pessoas que se julgavam capazes de tomar a decisão de escolher quem melhor representaria o nosso país no Festival Eurovisão da Canção, a realizar no próximo mês de Maio em Atenas, Grécia. Pelo menos eu, meus amigos, não acho normal esta postura!!

E não estou a defender esta ideia por terem sido as Non Stop e por conhecer a Rita, um dos elementos, desde os dois anos de idade (aposto que ela já nem se recorda de mim). Nada disso! Eu até sou daqueles que gostava da canção da Vânia, falava directamente do nosso país!! Mas tenho que concordar com o João Gobern, um dos elementos do júri da sala, quando este declara ao Correio da Manhã o que passo a citar:

« "A Vânia, a nível da interpretação, foi a melhor das cantoras da noite. A canção é que, a meu ver, não era tão boa como a das Non Stop”, explicou João Gobern, membro do júri. “‘Coisas de Nada’ tem uma mistura de pormenores de âmbito dos Abba com ambiente das Doce e momentos fabulosos e divertidos no arranjo. Quando as pessoas ouvirem com atenção perceberão que é muito menos ‘música a metro’”, disse o crítico de TV. »

Meus caros, as palavras não são minhas e confesso que só as li momentos antes de começar a escrever o post. Mas concordo em absoluto! Todos sabemos do sucesso mundial dos Abba após a vitória do Eurofestival em 1974 com "Waterloo" e é sabido nos circuitos que as Doce ainda hoje são recordadas no estrangeiro pelo "Bem Bom" que levaram a Harrogate em 1982.

Posto isto, só me resta desejar muito boa sorte às "miúdas" e que se vinguem dos gregos pelo que nos fizeram no Euro 2004. :-)
Até ao próximo post. Fiquem por aí...

5 comentários:

Vasco Ribeiro disse...

Caro Nuno! Gostava de começar por dizer que adoro discordar de ti. Digo isto com a maior da simpatia.
Não sou um grande aficionado dos festivais da canção. Penso que já se perdeu aquele entusiasmo dos sábados à noite quando a família se reunia no sofá contemplando as "fantásticas" músicas Portuguesas que nesse tempo tinham alguma qualidade. A música Portuguesa atravessa um período menos positivo nesse campo e é nesse campo, da qualidade, que englobo as Non-Stop que no meu ponto de vista são muito fraquinhas. Claro está que em Atenas não conseguirão nada, ou melhor, somente o último lugar.
Contam-se pelos dedos de uma mão os bons músicos portugueses e é pena que nenhum deles estará a representar Portugal na Grécia. Antigamente, vozes como as da Simone, Dulce Pontes, Lúcia Moniz, etc, pregavam o Povo à T.V a torcer por uma só vontade, por um só País. Hoje em dia e com a massificação da TV por cabo, graças a “Deus”, existem n alternativas para a higiene mental que às vezes todos nós sentimos necessidade, deixando assim de parte e Festival da Canção.
Confesso que só apanhei esse festival já no seu ponto final, nas votações, onde intercalavam os votos com os “clips” das músicas. Algumas das músicas eram pavorosas e outras iguais às que ouvimos no elevador. Mas tenho que dar a mão à palmatória, pois aquilo foi um festival, principalmente no desfecho. A Democracia tem as suas ratoeiras e aquelas votações pareciam aquelas missivas que por vezes assinamos mas não reparamos o que diz o asterisco. Eu olhava o nosso amigo Jorge Gabriel a incentivar as pessoas a votarem para mudar a votação do júri e no fim com um empate, vem a regra, o asterisco, que dita a vitória das Non-stop porque o júri tem precedência perante o público. Todos temos que nos limitar às regras, mas também penso que as regras têm de ser bem pensadas. E como em Democracia quem tem mais votos ganha, penso que a primazia devia ter sido dada ao povo, aquele que pagou 0,60€ + IVA para dizer que gostava da Vânia, isso sim seria justo e Democrático. Depois foi o que se viu, o descontentamento do povo Português, só faltou as asneiras e a invasão do palco. ;)
Meu caro Nuno, compreendo perfeitamente a tua defesa do jogo em si, mas acho que o programa esteve muito mal com aquele empate técnico e juntando a fraca performance das Non-stop penso que a vitória deveria ser atribuída à Vânia. Infelizmente vota-se na beleza, nos fatos e na coreografia, deixando para segundo plano a parte técnica da voz e a parte instrumental. Assim anda este país...

P.s – A Vânia devia ganhar, mas eu não votava nela.

Um grande abraço,
Vasco Ribeiro

Patrícia disse...

Meus amigos, não se zanguem, ok?
mas não posso deixar de opinar.
Para mim fica tudo estragado quando uma canção PORTUGUESA é cantada em Inglês.
Pronto já sei que a ideia é que alguém por esse mundo perceba a letra. Mas não seria mais importante que todos os Portugueses percebessem o letra da música que os vai representar??? é que por um lado o Português é uma das linguas mais faladas no mundo (graças aos nossos amigos brazileiros), mas a grande maioria dos Portugueses não fala Inglês....
e com isto eu não consigo concordar.
quanto às regras do concurso... bom, nessa sexta feira fui jantar fora... não faço ideia do que aconteceu ....
beijos e abraços

Nuno Reves disse...

Bem, "discutir" contigo é, de facto, um prazer enorme. Gosto da tua forma de escrever, és coerente e defendes os teus ideiais. E isso é bom!!

Galhardetes à parte, se releres o post, verás que não me manifestei nem por uma canção nem por outra. Apenas aceitei a decisão do regulamento. Não escondo que me é agradável ao ouvido a canção vencedora mas também o era a da Vânia. Nem é por aí... Quanto a melhores ou piores canções, quero acreditar na opinião do João Gobern. Se foi escohido para ser um dos elementos do júri, será, com toda a certeza, uma pessoa válida para opinar.

Mas torcemos pelas miúdas, certo? eheheh Mais que não seja por serem giras, pá. ;-)

Abraço
Nuno

Jú disse...

oi nuninho! epá n fazia ideia de k td esta confusão entre non stop e vânia s tinha dado. enfim... esta gente tem é mau perder. gostei mto do teu blog continua k eu vou tar aki pa ler :P bjinho**

Sei quem sou (Portugal) disse...

Acho uma estupidez a pindéricas da Non Stop terem ido representar Portugal no Festival da Eurovisão, elas n têm estaleca nenhuma! Essas raparigas, até podem ser muito boas a fazer outras coisas, mas a cantar não! Elas não passam de uma reles imitação das DOCE! Elas no Festival da Eurovisão, não tinham nada com jeito! Os fatos ainda se aguentavam, mas o facto de não terem no mínimo 1 bailarino/a em palco é inadmicivel, claro, assim como poderíamos ganhar!?
A Vânia tem uma boa voz, uma linda canção, que representava Portugal no seu melhor! Ela sim, poderia ter ido Festival da Eurovisão e agora estar na Final!
Eu não concordo com a votação da RTP então em 10 milhões de Portugueses 5 é que vão desempatar as "concorrentes", atenção, estamos a falar da pessoa que foi representar Portugal, e não da pessoa que vai cantar no baile da aldeia!

Nota: Escrevi este post depois da triste actuação das Non Stop na Grécia.
P.S:Se alguém souber o mail das Delirium, da Vânia ou do namorado postem aki no blog s.f.f